hiperplasia prostática (HPB)

          A hiperplasia prostática benigna (HPB), ou aumento da glândula prostática pela idade, é uma condição comum e benigna, sujeita a se fazer presente na maioria dos homens a medida que envelhecem, ao ponto de ser diagnosticada em quase 90% dos homens após os 80 anos.

          A próstata é uma glândula que responde ao estímulo da DHT, ou Di-hidrotestosterona, um hormônio derivado da testosterona. Dessa forma, sob estímulo constante desse hormônio ao longo dos anos e relacionada a vários outros fatores, principalmente genética, a próstata tomar sofrer um aumento significativo a ponto de ser prejudicial ao ato miccional, pela obstrução ao fluxo urinário uretral.

O tratamento da HPB envolve duas modalidades principais: o tratamento clínico e o tratamento cirúrgico.
 

          No primeiro caso, o tratamento é realizado através do uso de medicações combinadas que têm por objetivo reduzir a pressão uretral e o tamanho da glândula ao longo do tempo. Usualmente é necessário a manutenção da(s) droga(s) por tempo indeterminado.

          Já o tratamento cirúrgico é reservado aos casos de falha terapêutica clínica, opção do paciente ou nas eventuais complicações da HPB, que incluem infecções urinárias de repetição, formação de pedras na bexiga, insuficiência renal ou mesmo obstrução urinária completa, necessitando uso de sonda vesical para alívio.

          O procedimento mais utilizado é a Ressecção Transuretral da Próstata (RTUP), em que o urologista utiliza aparelho específico para realizar a remoção da maior parte do tecido prostático via uretral, ou seja, sem cortes externos.

rtu-p.png